Anúncio

Sou-Header_Site_BonApetit

Bom apetite

Torta Capixaba

Publicado em 25 de agosto de 2020 às 10:16
Atualizado em 25 de agosto de 2020 às 10:17

por chef Soraia Marracini

Muito se fala da nossa maravilhosa moqueca. Mas você sabia que o prato que realmente é único nosso é a torta capixaba? A moqueca, mesmo que de maneira diferente, outros estados fazem, a torta é exclusivamente nossa. Tradicional, regional e sensacional. 

A torta capixaba foi criada ao receber influências portuguesas, africanas e indígenas, e pela fartura de peixes e mariscos no Espírito Santo. A origem dessa iguaria ultrapassa 400 anos e é fruto principalmente de comunidades litorâneas e das vilas de pescadores que viviam à beira das praias e manguezais. Sempre foi tradicional seu consumo durante a quaresma . Ela é tradicionalmente feita na panela de barro,( outra coisa característica do nosso estado. Podemos bater no peito e dizer com orgulho:” Essa torta você só encontra no Espírito Santo”. É uma pena que não encontremos o ano todo nos restaurantes típicos. 

Além dos frutos do mar, um dos ingrediêntes base para esse prato é o palmito, muito cultivado em nosso estado também. O palmito é obtido a partir do interior da palmeira de pupunha e hoje em dia e extremamente usado em diversas preparações pois, além de saboroso tem alto valor energético e nutricional. Ele fortalece nosso sistema imunológico e nos protege de doenças degenerativas. É rico em minerais como ferro, cálcio, potássio, fósforo e magnésio, além de vitamina A, do complexo B e C. Também é rico em fibras e de baixo teor calórico. Você pode usar em saladas, tortas, substituindo macarrão e em inúmeras receitas. 

Ingredientes 

400g tomates picados (de preferência sem sementes) 

180g cebola picada 

60g alho picado 

100ml azeite 

60g azeitonas verdes inteiras 

60ml limão 

60g coentro picado 

60g cebolinha picada 

400g palmito (in natura) cozido e picado 

200g siri desfiado 

200g caranguejo desfiado 

200g camarão sete barbas limpos 

200g ostras (escaldadas e limpas) 

200g sururu (escaldado e limpo) 

200g bacalhau desfiado 

4 a 5 ovos  

rodelas de cebola 

Quanto baste de óleo de urucum 

Quanto baste sal e pimenta do reino 

Refogue o bacalhau em azeite e um pouco de alho picado e reserve. 

Prepare um refogado com um pouco do azeite, cebola, alho e leve ao fogo com o palmito e espere até ganhar consistência. Reserve. 

Prepare uma moquequinha refogando no óleo de urucum, alho, cebola, tomates cheiro verde e o siri e o caranguejo. Acerte o sal. Deixe o mais sequinha possível. Faça a de camarões separadamente. 

Junte as moquequinhas, o palmito, as ostras, o sururu, mexendo sempre até secar bem. Prove o tempero. Bata as claras em neve e misture as gemas e misture um pouquinho na massa. Coloque numa panela de barro e distribua o restante das claras batidas misturadas com as gemas sobre a massa. Enfeite com as rodelas de cebola e as azeitonas. Leve ao forno pré-aquecido até dourar. Sirva com arroz branco e muuuuiitoo azeite. E orgulhe-se de fazer um prato tão delicioso e tão emblemático de nossa história. 

Chef Soraia Marracini. Foto: Marcelo Moryan.

Veja também

DSC_5545-1

Jornalista lança livro sobre festival de música que marcou Guarapari nos anos 70

WhatsApp-Image-2024-04-10-at-16.31.00

Mamma mia! Cardápio variado é uma das principais atrações da Festa da Imigração Italiana

Evento acontece em Buenos Aires nos dias 13 e 14 de abril

exposicao-secult-tribos

Palácio Anchieta recebe exposição fotográfica ‘Juruti – Festival das Tribos’

xr:d:DAF0c5wR7DY:23,j:8257773838823460586,t:24040514

No cinema, na música ou literatura: Sou indica o que curtir neste fim de semana prolongado

imagem-02-1

Estudo aponta crescimento na altura e no sobrepeso de crianças brasileiras

Ativo 12-80 2

Educação e turismo: o que esperar do novo Radium Hotel

A Sou separou detalhes e fotos do projeto de reforma do prédio histórico