Anúncio

O luto e as formas de enfrentamento

por Larissa Castro

Publicado em 31 de agosto de 2020 às 10:00
Atualizado em 31 de agosto de 2020 às 10:06
Anúncio

A cada perda de um ente querido, uma nova fase de luto. Sabemos que a morte é o destino de todos que possuem vida, mas nunca estamos preparados para esta notícia. Assim como o sentimento durante a trajetória é variável, o luto também não é enfrentado de forma igual por todos.

A psicóloga Paula Maria Tonon, atua com a Terapia Cognitiva Comportamental, e explica que cada reação é singular, mas ninguém está livre desta fase, após o falecimento de uma pessoa próxima. “Cada indivíduo reage ao luto de forma distinta, variando de acordo com a estrutura emocional, as vivências e a capacidade para lidar com perdas. O próprio contexto de perda também influencia a forma como a pessoa vai encarar o luto”.

Psicóloga Paula Maria Tonon. Foto: Arquivo pessoal.

Paula completa que existem dois tipos de enfrentamento do luto. Essa reação, só é descoberta quando a pessoa vive a perda. “Existem duas classificações do luto: o normal, em que as reações são conhecidas por serem intensas imediatamente após a perda, e diminuírem ao longo do tempo; e também acontece de as pessoas não se encontrarem prontas para lidar com a finitude da vida humana, e a falta de aceitação do rompimento desse vínculo afetivo pode passar de um luto normal para um luto patológico, quando a pessoa perde algumas funcionalidades sociais e cognitivas”, esclarece.

Para amenizar o sentimento prolongado, a psicologia trabalha com métodos direcionados ao paciente. “Geralmente a psicologia trabalha com fases ou estágios do luto. Para a efetivação do luto, Elizabeth Kübler-Ross, referência no assunto, propôs cinco estágios: a negação e o isolamento, a raiva, a barganha, a depressão e a aceitação”, exemplifica a psicóloga.

No momento de dor, Paula explica que ter alguém por perto pode ser confortante, mesmo que instantaneamente. “Muitas vezes palavras de conforto são mal colocadas. Familiares e amigos podem ajudar com a presença solidária durante o tempo da dor e angústia do enlutado. Bem como podem oferecer-se para ajudar na manutenção da rotina doméstica. Um ombro amigo, compreensivo e mesmo silencioso expressará grande apoio quando as palavras não são suficientes. É importante dar para as pessoas tempo suficiente para se lamentarem, não apressem o ritmo do enlutado, não ignore sua dor, apenas seja um ombro amigo e presente”, conclui.

Anúncio

Veja também

valendo -jesus-menino-guarapari-revista-sou-capa

Uma história, muitos capítulos…

Materia-autismo

Reaprendendo a ser mãe

Três moradoras de Guarapari contam os desafios e aprendizados da maternidade de crianças autistas

Anúncio
Sarau Cultural Rui Barbosa (11)

Sarau Cultural homenageia as mães e encerra trimestre letivo da Escola Rui Barbosa

A atividade interdisciplinar foi realizada com alunos dos 6º e 7º anos da instituição

oral clean 2

Clínica Studio Oral Clean: tecnologia e cuidado

tagarelas editada

De loja virtual à física: Tagarela’s Kids & teens

A loja infantojuvenil está consolidada no mundo virtual há seis anos, e chega ao universo presencial, atraindo clientes de todos os perfis

principal-editada-1024x768-1

Guarapari ganha loja da ABC da Construção: uma das principais redes do ramo no Brasil