Anúncio

O luto e as formas de enfrentamento

por Larissa Castro

Publicado em 31 de agosto de 2020 às 10:00
Atualizado em 31 de agosto de 2020 às 10:06
Anúncio

A cada perda de um ente querido, uma nova fase de luto. Sabemos que a morte é o destino de todos que possuem vida, mas nunca estamos preparados para esta notícia. Assim como o sentimento durante a trajetória é variável, o luto também não é enfrentado de forma igual por todos.

A psicóloga Paula Maria Tonon, atua com a Terapia Cognitiva Comportamental, e explica que cada reação é singular, mas ninguém está livre desta fase, após o falecimento de uma pessoa próxima. “Cada indivíduo reage ao luto de forma distinta, variando de acordo com a estrutura emocional, as vivências e a capacidade para lidar com perdas. O próprio contexto de perda também influencia a forma como a pessoa vai encarar o luto”.

Psicóloga Paula Maria Tonon. Foto: Arquivo pessoal.

Paula completa que existem dois tipos de enfrentamento do luto. Essa reação, só é descoberta quando a pessoa vive a perda. “Existem duas classificações do luto: o normal, em que as reações são conhecidas por serem intensas imediatamente após a perda, e diminuírem ao longo do tempo; e também acontece de as pessoas não se encontrarem prontas para lidar com a finitude da vida humana, e a falta de aceitação do rompimento desse vínculo afetivo pode passar de um luto normal para um luto patológico, quando a pessoa perde algumas funcionalidades sociais e cognitivas”, esclarece.

Para amenizar o sentimento prolongado, a psicologia trabalha com métodos direcionados ao paciente. “Geralmente a psicologia trabalha com fases ou estágios do luto. Para a efetivação do luto, Elizabeth Kübler-Ross, referência no assunto, propôs cinco estágios: a negação e o isolamento, a raiva, a barganha, a depressão e a aceitação”, exemplifica a psicóloga.

No momento de dor, Paula explica que ter alguém por perto pode ser confortante, mesmo que instantaneamente. “Muitas vezes palavras de conforto são mal colocadas. Familiares e amigos podem ajudar com a presença solidária durante o tempo da dor e angústia do enlutado. Bem como podem oferecer-se para ajudar na manutenção da rotina doméstica. Um ombro amigo, compreensivo e mesmo silencioso expressará grande apoio quando as palavras não são suficientes. É importante dar para as pessoas tempo suficiente para se lamentarem, não apressem o ritmo do enlutado, não ignore sua dor, apenas seja um ombro amigo e presente”, conclui.

Anúncio

Veja também

Costela-com-barbecue

Costela suína ao molho barbecue

Korpus-2020 filme

Filme descortina Guarapari e celebra 30 anos de escola de dança

Anúncio
Portrait beautiful young asian woman happy smile with floating breakfast in tray on swimming pool

Cinco doenças comuns no verão que você pode evitar

Com cuidados básicos é possível se prevenir contra doenças como intoxicação alimentar, conjuntivite, otite, micose e dengue

marcos-massoterapeuta

Duas mãos pelo seu bem-estar geral

Sabores-Espaco-Buffet-5

Sabores e estrutura alinhados

Montagem - Toninha - Helaine - Adriana (capa)

Máscaras faciais: proteção e ferramenta para superar a crise