Anúncio

É preciso falar sobre obesidade em adultos

Os casos de obesidades se manifestam a médio e longo prazo. O apoio da família é essencial para a busca por tratamento

por Larissa Castro

Publicado em 10 de setembro de 2020 às 10:00
Atualizado em 10 de setembro de 2020 às 10:00
Anúncio

Longe de estética, a busca pela cura da obesidade trata-se de saúde e é necessária. No Brasil e em alguns países do mundo, a obesidade é a principal responsável por muitas doenças que levam à morte. E para piorar, o número de adultos com sobrepeso cresce frequentemente, ao ponto da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontar que no ano de 2025, 700 milhões de pessoas estarão obesas.

A principal característica da obesidade é o acúmulo excessivo de gordura, principalmente na região do abdômen. Essa doença, que é manifestada a médio e longo prazo, pode ser provocada por vários motivos, como explica a nutricionista Beatriz Keller, que atua na Clínica Monte Moriá, em Guarapari. “A obesidade é multifatorial. Pode ter origem genética, como pode ser ocasionada pelo ambiente em que a pessoa vive, o comportamento, que envolve o psicológico, a relação que se tem com a alimentação. Este é um dos mais graves problemas de saúde pública que temos que enfrentar”.

Beatriz Keller, nutricionista na clínica Monte Moriá. CRN 43429.

É considerado obeso qualquer indivíduo que apresente o Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30. Para identificar a doença que se manifesta principalmente em mulheres, devido a fatores hormonais e características do corpo, a área da nutrição oferece alguns critérios. “O método mais prático, fácil e barato para saber se a pessoa é obesa, é através do cálculo de IMC. Que é a relação peso dividido por altura ao quadrado. Quando nessa relação você acha o valor entre 18.5 até 24.9, o indivíduo é considerado normal; acima de 24.9 até 29.9, a pessoa se enquadra no quadro de sobrepeso; acima de 29.9, tem os graus de obesidade”, explica Beatriz.

Dentre os níveis da doença, o mais comum que os pacientes apresentam, é o grau 1. “O IMC de 30 a 35 classifica o grau 1; acima de 35 a 40, grau 2; e acima de 40, hoje se fala obesidade grave. Para uma pessoa apresentar essa síndrome, ela tem que manifestar pelo menos três critérios: a distribuição desta obesidade em obesidade central, que seria o acumulo de gordura na região do abdômen associado à uma circunferência abdominal superior a 78 para mulher e 102 para homem, além disso, hipertensão, diabetes e alteração de colesterol e triglicerídeos”, reforça a nutricionista.

A obesidade se manifesta principalmente nas mulheres. Foto: Reprodução.

Tratamento

Assim como as causas são multifatoriais, o tratamento também pode ser. Mas a principal iniciativa, para que o resultado da mudança seja vitalício, deve partir da soma de boa vontade do paciente, acompanhamento de nutricionista e incentivo de familiares. “Os tratamentos da obesidade são mudança no hábito alimentar, combate ao sedentarismo com atividade física regular, em casos de problema endócrino, que são pequenos, fazer o ajuste. Em último caso, a cirurgia bariátrica, mas isso tem que ser muito bem trabalhado, pois você reduz o estômago, mas não trabalha o psicológico. Então, a cirurgia bariátrica é indicada para obesos que fizeram várias tentativas, seja por medicamento, por dieta, a longo prazo. Em relação ao risco, permanecer obeso ainda é mais arriscado do que enfrentar uma cirurgia. A bariátrica é um procedimento que tem resultado, mas precisa de trabalho psicológico. Não existe milagre, o interesse principal tem que partir da pessoa que sofre. É força de vontade, determinação, escolha. Trabalhar com perda de peso é você trabalhar com a mente do paciente e mostrar que compensa fazer escolhas inteligentes e substituições”, explica a nutricionista Beatriz.

Anúncio

Veja também

man-and-woman-working-out-together-at-the-gym

Hipertrofia: ganho de peso saudável também requer determinação e paciência

Bacalhau-Brisamare-Risa

Cardápio solidário: restaurante de Guarapari fará doação ao Recanto dos Idosos

Anúncio
HM-Comunicacao

“Somos HM Comunicação”; com duas décadas de atuação, agência apresenta novidades

as-sinais-de-autismo_15864_l

Abril Azul: identificação precoce de sinais é fundamental para sucesso no tratamento do autismo

Black woman take care of her beautiful skin. Young african woman applying moisturizer on her face while standing in front of the mirror. Smiling black natural girl holding little jar of skin lotion in bathroom for beauty treatment routine.

Como está sua rotina de skincare? Especialista dá as dicas

My preparing for active day

Com orientação profissional, suplementação alimentar é aliada do corpo saudável