Anúncio

Doação de órgãos e o renascimento de quem recebeu

Apesar de ser um assunto que precisa ser debatido, o mês de setembro possui um destaque para o incentivo a doação de órgãos: a campanha Setembro Verde

por Larissa Castro

Publicado em 2 de setembro de 2020 às 12:10
Atualizado em 2 de setembro de 2020 às 12:18
Anúncio

Com diversas campanhas ligadas às cores, o mês de setembro também se destaca com o incentivo a doação de órgãos. Intitulado de “Setembro Verde”, o movimento foi criado com o objetivo de que mais pessoas se tornem doadoras de órgãos e tecidos. Para que isso ocorra, não é necessário deixar o registro por escrito; basta conversar com a família sobre o desejo de fazer o ato nobre da doação. Milhares de pessoas aguardam por transplantes. Essas, têm a vida transformada e a conquista é vista como um renascimento.

A cada pessoa que toma a decisão de ser doador de órgãos, em média dez vidas são salvas. Em Guarapari, a advogada Giovanna Mazzelli faz parte da estatística de quem foi agraciado com a doação. Há 15 anos, após um mês de espera, ela recebeu o transplante de córneas, que é colhida de um doador morto com idade entre 2 e 80 anos. Sem saber a origem do doador, a experiência fez com que ela mudasse o pensamento.

“Eu não pude saber quem doou a córnea, sei apenas que foi do sexo masculino. Eu não pensava em ser doadora de órgãos, hoje me assumo como doadora, de todos os órgãos possíveis, e sempre incentivo, pois voltei a minha vida normal, após ser receptora”, celebra Giovanna.

Giovanna foi diagnosticada com Conjuntivite e, devido ao tratamento inicial errado, precisou receber o transplante de córneas. Foto: Arquivo pessoal.

Sem imaginar que um dia seria ela quem estaria no aguardo de um ato de solidariedade que, inicialmente parte do doador e após a morte, da família, Giovanna enfrentou cinco anos de tratamento na visão, mas apenas o transplante fez com que a rotina dela se normalizasse.”Eu peguei conjuntivite, e os médicos me trataram de forma equivocada, inicialmente. A conjuntivite passou para a córnea e eu não melhorava. Mudei meu tratamento para Belo Horizonte, e o agravamento das lesões causados pelo erro médico inicial, fizeram com que a única chance que eu tivesse para voltar a enxergar, fosse o transplante”.

Com a opção de realizar cirurgia à laser antes do transplante, mas com chances baixas de sucesso, ela tentou o método. “Fiquei um ano e meio para poder fazer a cirurgia à laser, pois precisava dar um tempo no efeito do tratamento errado, como suposto, a cirurgia não deu certo, e o médico falou que só com o transplante eu teria resultados. Depois do informado, com um mês eu recebi a córnea”, conta.

O Transplante de Córnea é uma cirurgia que substitui um disco corneano doente por outro, saudável, de um doador. Foto: Reprodução.

Na época, Giovanna havia acabado de se formar em Direito e conquistado a carteira da OAB. Após o diagnóstico, tudo mudou. “Fique cinco anos com a vida mudada, tive que parar com a vida profissional, devido a isso. Quando soube que minha vez havia chegado, fiquei surpresa por ter sido rápido e agradecida pela oportunidade de voltar a enxergar. Voltei a trabalhar, mesmo com o médico falando sobre os riscos de rejeição, e para a surpresa, eu me recuperei com a metade do tempo previsto. Hoje tenho apenas astigmatismo e miopia, o que é normal para quem fez o transplante. A claridade me incomoda um pouco, mas o resto, é vida normal”

A cirurgia

Apesar de ter feito todo o acompanhamento de forma particular, a espera para o transplante é única, independente do órgão, todo paciente enfrenta apenas uma fila de espera, que é recebido de forma gratuita. “Eu paguei a cirurgia particular, pois eu não quis fazer em Vitória. Então o particular foi o honorário médico e o hospital, a córnea é um banco só; independente da cirurgia ser feita no particular ou público”, detalha Giovanna.

Quais são os tipos de doador de órgãos?

O doador vivo: Pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a própria saúde. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes, só com autorização judicial.

O doador falecido: Doador Falecido após Morte Cerebral: Paciente cuja morte cerebral foi constatada segundo critérios definidos pela legislação do país e que não tenha sofrido parada cardiorrespiratória. O doador falecido nesta condição pode doar coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino, rins, córnea, vasos, pele, ossos e tendões.

Doador com Parada Cardiorrespiratória: Doador cuja morte foi constatada por critérios cardiorrespiratórios (coração parado). O doador nesta condição pode doar apenas tecidos para transplante (córnea, vasos, pele, ossos e tendões).

Anúncio

Veja também

Costela-com-barbecue

Costela suína ao molho barbecue

Korpus-2020 filme

Filme descortina Guarapari e celebra 30 anos de escola de dança

Anúncio
Portrait beautiful young asian woman happy smile with floating breakfast in tray on swimming pool

Cinco doenças comuns no verão que você pode evitar

Com cuidados básicos é possível se prevenir contra doenças como intoxicação alimentar, conjuntivite, otite, micose e dengue

marcos-massoterapeuta

Duas mãos pelo seu bem-estar geral

Sabores-Espaco-Buffet-5

Sabores e estrutura alinhados

Montagem - Toninha - Helaine - Adriana (capa)

Máscaras faciais: proteção e ferramenta para superar a crise