Anúncio

Dia do Idoso: aos 88 anos, aposentado confecciona redes de pesca

por Larissa Castro

Publicado em 1 de outubro de 2020 às 16:42
Atualizado em 1 de outubro de 2020 às 17:11
Anúncio

No dia 1º de outubro é comemorado o Dia Nacional do Idoso e Dia Internacional da Terceira Idade. E para celebrar a data, nada melhor do que chegar a fase da “melhor idade”, com saúde e disposição para fazer atividades do cotidiano, além de algum hobby. Em Guarapari, aos 88 anos, o “seu” César, como é carinhosamente chamado, aproveita a fase para confeccionar redes de pesca e admirar a Praia de Guaibura enquanto realiza o trabalho.

Seu César mora em Guarapari há 84 anos, e tem como hobby a confecção de redes de pesca.

César Pinto de Jesus chegou a Guarapari aos 4 anos de idade. Filho de pescador, ele cresceu seguindo a profissão do pai, e atualmente, para fortalecer a prática, contribui com a confecção de redes e tarrafas, que são vendidas aos pescadores. “Comecei a acompanhar meu pai na pesca aos seis anos de idade. Com 17, me oficializei na profissão e assim segui até os 40, quando me aposentei. Hoje a minha diversão é confeccionar as redes para quem pesca utilizar. Levo cerca de três meses para finalizar uma rede ou tarrafa de 110 braços. Faço este trabalho, pois fico sentado e não me canso”, conta o aposentado.

Com um pequeno comércio em frente a Praia de Guaibura, após idealizar e administrar por 52 anos o Restaurante do César, também na Enseada Azul, seu César passa a maior parte do tempo no local, mas antes da pandemia, levava uma vida ativa e tinha o hábito de passear por Guarapari.

César comercializa o trabalho em uma venda ao lado do restaurante criado por ele.

“Durante o dia, fico no comércio produzindo as redes; a noite, levo para casa e também faço lá. É o que eu sei fazer, me sinto muito bem. O que me chateia é quando falta o nylon. Ultimamente não tenho ido ao Centro com tanta frequência de ônibus, mas se for para ir, eu vou e ando por tudo, resolvo minhas próprias coisas, mas sinto que não sou o mesmo de uns anos atrás”, detalha seu César.

Com a saúde em dia e tomando os devidos cuidados para se manter bem, seu César revela que não vai ao médico com tanta frequência. “Me sinto com uma saúde muito boa, está controlada. A idade que eu tenho não é para qualquer um. Do jeito que eu vivo, apesar da diabetes que tenho, estou muito bem. Me alimento corretamente”.

É com a vista da Praia de Guaibura que seu César realiza o trabalho.

Com uma trajetória repleta de histórias e experiências, avô de 12 netos, César diz que o mundo se transformou de 20 anos para cá. E com tanto conhecimento, ele deixa um recado aos mais jovens: “O conselho que eu tenho é para os jovens viverem numa boa, pararem de fumar, de beber e perder noite; eu já perdi muitas noites para me sentir vivo, mas hoje não faço mais isso. Isso não leva ninguém à frente”.

Seu César, que sempre teve companheiras, está sozinho no momento. Mas ele não descarta a possibilidade de uma nova paixão. “Ter uma companheira é bom para dividir as tarefas de trabalho e de casa, mas se aparecer alguma, tem que ser do meu jeito; não gostar de forró, de cerveja, ser mais caseira. Sempre tratei bem quem está comigo, quem me colocou no mundo foi uma mulher, então devo respeito a todas”, finaliza.

Anúncio

Veja também

gestante

Exercícios na gestação: o que não te contaram

Ailana Vilela_capa

Antes do retorno, Samarco implanta o “Força Local”

Anúncio
azul-conecta-voo

Voos diretos para Guarapari

negros

Novembro Negro: conheça algumas expressões racistas e seus significados

socorro quero bolo (1)

Venda de bolos liberta mulher da depressão

Fábio Novaes Sicoob

O que é e o que muda com Pix