Anúncio

Advogada cria loja com produtos à base de cannabis, em Guarapari

por Larissa Castro

Publicado em 19 de outubro de 2020 às 11:53
Atualizado em 19 de outubro de 2020 às 11:57
Anúncio

A planta Cannabis enfrenta processos para provar os diversos benefícios à saúde. Em Guarapari, uma advogada também abraça a causa e, por conhecimento e experiência própria com o uso de produtos, ela passa a vender itens para homens e mulheres, de todas as idades. A novidade, que é virtual, contém produtos de pele, cabelo, unhas, loção pós-barba e lubrificante íntimo; todos com teor baixo de canabinoides e 100% naturais.

Quebrando preconceitos, a advogada e empreendedora Litza Aoni, 23, viu na Cannabis uma fonte de renda e propagação das diversas funções que a planta pode cumprir. “Eu usava alguns produtos à base de cannabis, e notei uma demanda reprimida, já que por ser um assunto ainda tabu, muitas pessoas não tem conhecimento sobre os benefícios da cannabis à saúde e qualidade de vida. A ideia da lojinha nasceu, como uma forma de me aproximar do público medicinal, e também de me sustentar até que eu conseguisse uma certa estabilidade no direito”, explica.

Litza Aoni é advogada e empreende com produtos à base de cannabis. Foto: Arquivo pessoal.

O sucesso inicial das vendas resultou no investimento planejado para seguir na carreira de advogada. “Com a venda dos produtos consegui pagar o curso para trabalhar com a área da cannabis medicinal no direito. Hoje me especializo pra atuar nessa área e em breve, estarei pegando causas nesse sentido. Quero unir o direito penal e o direito à saúde, pra trabalhar com pacientes que precisam de acesso à cannabis medicinal, que em alguns casos, ainda só são feitos mediante intervenção judicial, já que o medicamento é caro e infelizmente o autocultivo é proibido”.

Loção pós-barba faz parte do catálogo da loja.

Diferente do que algumas pessoas imaginam, a venda e a compra dos produtos não são consideradas crime. “Os produtos possuem um teor muito baixo de canabinoides e por isso, não são considerados droga, pois não causam qualquer efeito psicoativo. São produtos cosméticos, apenas o sérum facial é comestível e, ainda assim, não contém a concentração de canabinoides suficientes para provocar mudanças psicotrópicas”, orienta Litza.

Com clientes fidelizados após a primeira experiência, para Litza, o preconceito ainda impede o acesso da qualidade dos produtos a muita gente. “O preconceito sobre a planta acaba inibindo o reconhecimento dos benefícios. Ainda há muita desinformação quando o assunto é maconha e isso faz com que as pessoas julguem sem conhecer. Além disso, no Brasil, a proibição dificulta estudos na área. Comparado a outros países mais desenvolvidos, ainda estamos engatinhando. tenho recebido incentivos diversos pelo trabalho de propagar informação que estou fazendo no Instagram. E diante a todas evidências científicas existentes hoje, não tem justificativa moralmente plausível pra ser contra o acesso à saúde.
Nenhum preconceito resiste à informação”.

A loja

Intitulada de ‘Jardim Mágico’, a loja apresenta produtos disponibilizados no instagram @jardim.mágico_ , ainda em construção, e também no pessoal da advogada, @litzaaoni.adv . Com pontos de retirada em Guarapari, Cachoeiro e Vila Velha, as encomendas podem ser feitas pelo telefone 028 999931005. “A princípio a ideia é vender variados produtos à base de cannabis, que possam auxiliar a vida das pessoas de alguma forma. Vou abrir vendendo cosméticos de duas marcas: a Lubrinnabis, que hoje fabrica lubrificantes, e a Linha Canabica da Bá, que tem uma extensa linha de produtos de cuidados com a pele, unhas, cabelos e creme de massagem para dor. Todos os produtos são veganos, feitos com produtos naturais e à base de cannabis, tendo diversos benefícios à saúde”.

A loja é virtual e os produtos podem ser pedidos pelo Instagram ou WhatsApp.

De onde vem os produtos?

Com produtos variados, a empreendedora busca fornecedores especializados no assunto. “Procuro sempre trazer empresas comprometidas com a causa canábica e todos os benefícios sociais que ela proporciona. Hoje compro os produtos de dois fornecedores: Linha Canábica da Bá, cuja fundadora, biomédica, Dra. Barbara Arranz ingressou na causa canábica ainda na faculdade quando buscava alternativas para seu filho, diagnosticado com uma condição do espectro autista, é uma linha de produtos terapêuticos, cujo propósito é dar acessibilidade, propagar informações sobre o tema e quebrar o tabu mostrando como a maconha medicinal pode melhorar vidas. A outra é Lubrinnabis, de um casal de empreendedores de Curitiba cuja missão é desmistificar a maconha e apresentar seus poderosos efeitos; tanto medicinais, para o tratamento de diversas doenças, quanto no aumento do prazer sexual e incentivo ao empoderamento feminino. Eles também acreditam fielmente no poder da planta, lutam pela legalização e acreditam que em breve muitas pessoas vão poder fazer uso desse tratamento com tranquilidade”.

Lubrinnabis

O lubrificante à base de cannabis faz sucesso.

Testado e aprovado por diversas pessoas, o lubrificante vendido por Litza têm sido muito procurado, após indicação de usuários. “Por termos receptores de canabinoides na nossa pele, os lubrificantes à base de cannabis deixam a região muito mais sensível, facilitando o orgasmo e até orgasmos múltiplos, fazendo a relação ser muito mais intensa. Além disso, há relatos de ações anti-inflamatória, fungicida, bactericida, além de agir diminuindo vários tipos de dores. Algumas clientes relataram melhoras em candidíase, dores de cabeça, cólicas e dores musculares”, esclarece.

Anúncio

Veja também

gestante

Exercícios na gestação: o que não te contaram

Ailana Vilela_capa

Antes do retorno, Samarco implanta o “Força Local”

Anúncio
azul-conecta-voo

Voos diretos para Guarapari

negros

Novembro Negro: conheça algumas expressões racistas e seus significados

socorro quero bolo (1)

Venda de bolos liberta mulher da depressão

Fábio Novaes Sicoob

O que é e o que muda com Pix