Anúncio

Abril Azul: identificação precoce de sinais é fundamental para sucesso no tratamento do autismo

por Gislan Vitalino

Publicado em 26 de abril de 2021 às 09:13
Atualizado em 26 de abril de 2021 às 09:13
Anúncio
Brinquedos podem assumir papeis diferentes nas mãos de crianças com autismo. Foto: reprodução|Pixabay

Desde 2008, a Organização das Nações Unidas (ONU) estipulou o Abril Azul. Durante o período, a campanha estabelece o objetivo de combater o preconceito e despertar o interesse da população para o Transtorno do Espectro Autista (TEA).

No Brasil, o transtorno geralmente é identificado entre os 2,5 e 3 anos de idade. O atraso para a definição do diagnóstico pode ser prejudicial para o acompanhamento profissional do quadro, que deve ser iniciado o quanto antes. Por isso, a Revista Sou conversou com a neuropediatra Drª. Larissa Krohling, para saber mais sobre sinais que podem alertar aos pais sobre a necessidade de se buscar o acompanhamento de um especialista.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno que engloba diferentes condições marcadas por perturbações do desenvolvimento neurológico que podem acarretar algumas características fundamentais, das quais, destacam-se: dificuldade de comunicação e do domínio da linguagem, dificuldade de socialização e padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

Drª Larissa Krohling | CRM 6550-ES/ RQE N° 12014 e 5368. Foto: acervo pessoal

A Drª Larissa Henriques Freire Krohling é pediatra, médica neurologista infantil, e graduanda em Autismo pela Child Behavior Institute Miami. Ela explica que, quanto antes o tratamento for iniciado, melhores se apresentam as chances de que a criança apresente boas respostas aos estímulos. “O TEA apresenta algumas janelas específicas muito importantes para a intervenção médica. Isso porque, quanto mais nova a criança, maior a plasticidade do cérebro”, afirmou a especialista.

“A cada nova aprendizagem, novos circuitos neurais são ativados e novas sinapses são formadas. Quando alguns conhecimentos e habilidades não são usados por um tempo, ocorre a ‘poda neural’, em que alguns neurônios são desligados para dar espaço a novos, em um processo que começa já na vida intraútero. No caso das crianças com TEA, esse processo pode ter algumas falhas. Como o processo acaba sendo ineficiente, há um excesso de sinapses, resultando em déficits neurológicos comuns no autismo”, ressaltou Drª Larissa.

Por isso, é importante que os pais estejam atentos aos sinais de alerta para a busca de acompanhamento de um profissional especialista. Dentre tais sinais sugestivos, a médica destaca alguns comportamentos, reações e interações que podem ser observados pelos pais desde o primeiro ano de vida.

Sinais mais comuns no primeiro ano de vida

  • Ausência de contato visual eficaz;
  • Ausência do chamado “sorriso social”, quando a criança sorri para outras pessoas, ou como resultado de interação;
  • Não produz sons/ sem vocalização ou intenção de fala;
  • Não estica os braços pedindo colo;
  • Não demonstra interesse pelo olhar dos cuidadores ou dos pais;
  • Rigidez comportamental.

Sinais mais comuns após um ano de vida

  • Não reage ou responde ao ouvir o nome;
  • Não aceita o toque;
  • Não sustenta o olhar;
  • Indiferença à presença dos pais ou cuidadores;
  • Não apresenta comportamento de imitação;
  • Apresentam pouca atenção à face humana;
  • Incômodos frequentes com sons;
  • Distúrbios de sono.

Sinais mais comuns após os 18 meses de idade

  • Não brincar com os brinquedos da forma como é esperado, mas de formas novas ou diferentes;
  • Interesses em estímulos, movimentos restritivos e de repetição;
  • Seletividade alimentar;
  • Dificuldade em entender expressões faciais.

A especialista destaca a importância de que os pais se atentem aos sinais. “Alguns pais consideram que os atrasos na apresentação desses comportamentos podem ser normais para determinada idade, mas é preciso se atentar, pois o estímulo dos comportamentos importantes por meio da terapia pode ser mais efetivo para fortalecer as sinapses relativas àquele processo quanto mais nova for a criança”, reforçou a neuropediatra.

A ausência de contato visual eficaz e contínuo é um dos sinais frequentes do autismo, mais comum em crianças com mais de um ano de vida. Foto: reprodução|Pixabay

Importância do acompanhamento profissional

A apresentação dos sinais listados, entretanto, não será o indicativo de diagnóstico do TEA. Segundo a especialista, caso os pais notem um ou mais desses comportamentos, devem procurar um profissional especializado que analisará o diagnóstico. “Não é um ou outro comportamento desses que definirá a condição. Mas esses sinais são importantes para que os pais busquem um profissional que fará os exames necessários”, afirmou.

Após iniciado o tratamento, o tempo e o nível para a apresentação de respostas também é individual para cada criança. “Cada um é cada um! Os casos de TEA apresentam graus diferentes e a evolução do tratamento pode variar dependendo não só de fatores genéticos, mas também ambientais”, destacou a médica.

“O diagnóstico e intervenção precoce pode mudar o futuro da criança, melhorando a qualidade de vida dela e, nos casos classificados como leve, o indivíduo pode chegar a ter uma vida normal, trabalhando, tendo sua profissão e até construindo uma família”, explica a especialista.

“O que a gente pode afirmar em todos os casos é que, o quanto antes os pais buscarem a ajuda profissional, maior será a plasticidade do cérebro e consequentemente, maiores serão os resultados apresentados no acompanhamento”

Drª Larissa

Drª Larissa Henriques Freire Krohling é médica neurologista infantil e pediatra. Com formação pela Emescam e especialização em Neurologia Infantil pelo Instituto Fernandes Figueira (Fiocruz-RJ). Possui bolsa de mérito (fellow) em neurofisiologia Hospital Quinta Dor e é graduanda em Comportamento de Crianças Autistas no Institute of Miami. Drª Larissa possui vinte anos experiência em Neurologia Pediátrica e atuou por 15 anos em hospitais pediátricos de referência no Estado do Espírito Santo (Hospital Infantil de Vitória e Vila Velha).

Anúncio

Veja também

Cachorro-gripe-Petlove

Meu cão também fica gripado?

eventos-noiva-por-um-dia

De Cerimonialista a Noiva: assessoras de eventos de Guarapari viram noivas por um dia

Anúncio
Sebastiao_Simoes_foto_zanete_dadalto

Planejamento e gestão estratégica para empresas

Convidamos Sebastião Simões para falar sobre o tema, especialmente voltado aos gestores que buscam performance de alto nível

evento-dia-de-noiva-2021-10-16-2

Cerimonialistas de Guarapari passam pela experiência de se sentirem noivas por um dia

Dra-Mara-Unilabfacil

Unilabfácil: se aprimorar em meio aos desafios da pandemia

Com a chegada da pandemia da Covid-19, setores ligados à saúde tiveram que aperfeiçoar processos e tornar atendimentos ainda mais humanos

Elisangela-Antonio-Fatima-e-Mayara

Paz Eterna 50 anos: atender bem é a chave do reconhecimento