Anúncio

A voz sertaneja na mesa de bar

por Larissa Castro

Publicado em 4 de setembro de 2020 às 10:06
Atualizado em 4 de setembro de 2020 às 11:00
Anúncio

Um bom sertanejo, alinhado ao drink, cerveja e um petisco, sempre soa muito bem aos ouvidos dos apaixonados pelo bar. Seja com amigos, amores, ou a própria família, valorizar e prestigiar as vozes locais que animam as noites é sempre de ótimo agrado, para quem canta e quem se diverte.

Em Guarapari, apesar de não estar viável a apresentação de música ao vivo nos tradicionais bares da cidade, quem canta não esquece do que o público gosta e sente saudade do carinho recebido. Com vozes profissionais, que são conhecidas por muita gente, o município agrega duplas e solos para lá de apaixonantes, como comprova a universitária Thaiane Novais, que é presença confirmada nas apresentações. “Sou frequentadora de carteirinha. Sempre que vejo divulgação de música ao vivo e promoção de chopp, convoco minhas amigas e vamos todas!”, declara com muito sorriso.

E é esse carinho que faz a dupla Pedro Ricardo & Juliano, formada há sete anos, se dedicar cada vez mais aos palcos desses ambientes muito frequentados por jovens e adultos. “Ver o público alegre é melhor que o cachê. É muito satisfatório saber que estamos conseguindo agradar e animar 70% do que envolve a festa”, comemoram.

Pedro Ricardo & Juliano. Foto: Arquivo pessoal.

Apesar de não terem o repertório montado previamente, e seguirem o que o público manda, entre as mais pedidas: os modões. “A música que o público mais gosta é Boate Azul e Evidências. Mas pedem muito também as cantadas por Marília Mendonça. A gente prefere tocar modão, pois começamos assim, mas nos adaptamos ao mercado universitário, que se inova com muita frequência”, explica Pedro Ricardo.

É através dos músicos de bares que a clientela dedica melodias para quem admira. O cantor solo, Marlon Franco, que iniciou a carreira aos 17 anos, há cinco anos, mescla no repertório, os modões e o sertanejo universitário. Ele possui músicas autorais e ao ouvir o público cantando melodias dele, se sente muito feliz com a expansão do trabalho. “No cover as pessoas sentem as músicas de outros artistas, e eu represento. Mas, quando é música de autoria minha, é coisa de doido, pois levo a minha mensagem. Lancei uma música que está com mais de 20 mil visualizações, pois gostaram da letra, se chama “Foto na Tela””.

Marlon Franco. Foto: Arquivo pessoal.

Apesar de ser um entretenimento que diverte muita gente, Marlon lamenta a desvalorização da classe. “Alguns contratantes não concordam com o valor cobrado, isso incomoda muito. O público é sempre carinhoso, gostam do nosso trabalho, e isso nos motiva”.

Acompanhe os trabalhos dos músicos no Istagram:

Pedro Ricardo & Juliano

@pedroricardoejuliano

Marlon Franco

@marlonfrancocantor

Anúncio

Veja também

gestante

Exercícios na gestação: o que não te contaram

Ailana Vilela_capa

Antes do retorno, Samarco implanta o “Força Local”

Anúncio
azul-conecta-voo

Voos diretos para Guarapari

negros

Novembro Negro: conheça algumas expressões racistas e seus significados

socorro quero bolo (1)

Venda de bolos liberta mulher da depressão

Fábio Novaes Sicoob

O que é e o que muda com Pix