27 3361-4163 — contato@revistasou.com.br

O perigo está dentro de casa

As férias escolares já estão aí. Com isso, é comum o aumento de acidentes. Não tem como evitar a bagunça, a correria e a gritaria das crianças dentro de casa. Mas é possível prevenir muitos incidentes com alguns cuidados simples e básicos.

O perigo pode estar na escada, no tapete da sala, na tomada da luz, na caixa de medicamentos ou na panela em cima do fogão. Enfim, o risco está dentro de casa. O que para um adulto pode ser apenas um móvel ou uma atividade rotineira, quando se está com uma criança por perto pode se tornar uma verdadeira armadilha.

Quedas, intoxicação, asfixia, queimaduras, eletrocutadas e afogamentos são os principais acidentes de acordo com dados do Ministério da Saúde. Mais de cinco mil crianças de 1 a 14 anos morrem anualmente por acidentes domésticos. O mais impactante é que 90% dos casos poderiam ser evitados com prevenção.

casa

 

COZINHA

– Aparelhos elétricos devem ser mantidos fora do alcance das crianças

– Na hora de cozinhar, virar o cabo da panela para a parte de dentro do fogão

– Facas e utensílios pontudos devem ser guardados em gavetas altas para dificultar o acesso

ÁREA DE SERVIÇO

– Manter o material de limpeza guardado no alto fora do alcance dos pequenos

– Não reutilize embalagens de refrigerante ou de comida para armazenar produtos de limpeza

SALA

– Todas as tomadas devem ser lacradas com fitas ou tampas de segurança

– Evitar tapetes próximos a escadas

– Bloquear o acesso à escada que deve ter corrimão e piso adequado para evitar escorregões

– Apartamentos e casas com mais de um andar devem ter telas de proteção nas janelas

– Coloque travas nas portas de forma que só os adultos consigam abri-las

– Evitar móveis com quinas em locais de passagem ou de circulação

QUARTOS

– Crianças com menos de 6 anos não devem dormir em beliche

– Cuidado com os brinquedos que podem se tornar vilões se soltarem peças pequenas que podem ser engolidas

BANHEIROS

– Mantenha os remédios em armários trancados e fora do alcance das crianças

– Evite deixar aparelhos como barbeadores elétricos e secadores ligados na tomada

– Se tiver banheira ou usar banheiras e baldes de plástico sempre esvazie após usá-los

– Nunca deixe crianças sozinhas nas banheiras, mesmo quando já sentarem sozinhas

 

CUIDADOS REDOBRADOS NA PRAIA

praia-criancaMas férias também é sinônimo de viagem. Neste caso, os cuidados devem ser redobrados começando pelo trânsito. “O maior descuido dos pais nas férias escolares está na viagem, que muitas vezes é feita de modo negligente, tanto no aspecto da falta de manutenção dos carros como no desrespeito às leis de trânsito”, destaca o bombeiro, Aspirante Pedroni.

E se o destino tem praia, tem que ficar de olho. Nos últimos feriados prolongados, por exemplo, foram registradas 23 ocorrências de crianças perdidas nos dias 5,6 e 7 de setembro; 19 entre os dias 10 e 18 de outubro e 26 de 31 de outubro a 2 de novembro.

“Temos um projeto que facilitaria o nosso trabalho. A proposta é que cada posto tenha uma cor e as crianças que estiverem no entorno recebam uma fita da mesma cor. O salva-vida ao encontrar uma criança perdida, pela cor da fita já saberá o local de onde se perdeu”, explica o gerente Edalmo de Almeida.

INSOLAÇÃO E DESIDRATAÇÃO

O ideal é evitar a exposição ao sol por um longo período, principalmente entre as 10h e 16h. Use protetor solar, inclusive em dias nublados. Chapéus e bonés são essenciais cobrindo o rosto e o pescoço. Dê prioridade a bebidas saudáveis como água, suco da fruta e água de coco. Os bebês não devem tomar sol por mais de 30 minutos.

INTOXICAÇÃO

Priorize alimentos saudáveis e de fácil digestão como coco, milho, picolés da fruta, salada de fruta. Evite produtos industrializados, refrigerantes, e àqueles que deteriorem rapidamente no calor. Em caso de intoxicação química entre em contato imediatamente com o pronto-socorro com amostra do produto ingerido.

AFOGAMENTOS

Jamais deixe que os baixinhos entrem sozinhas no mar, o ideal é que os pais sempre acompanhem quando forem brincar na água. A profundidade é outro fator que deve ser observado: evite água acima da cintura. Oriente os seus filhos que água acima do umbigo é sinal de perigo e deve imediatamente voltar para o raso.

CRIANÇAS PERDIDAS

É importante ter sempre um adulto do grupo responsável por olhar as crianças, pode ser mediante revezamento. O ideal é que o responsável não esteja ingerindo bebida alcoólica. Colocar pulseiras de identificação com número de contato também facilita o reencontro.

Fonte: Gerência de Salvamento Marítimo de Guarapari, Corpo de Bombeiros do Espírito Santo, Hospital Francisco de Assis e Ministério da Saúde

Por Lívia Rangel

Deixe um Comentário