27 3361-4163 — contato@revistasou.com.br

“Esta é a geração de pais mais carente que já existiu”

Supervalorização das relações virtuais, distanciamento por uma rotina intensa de trabalho, culpa na hora de dizer não. Esses são alguns fatores que fazem desta geração não apenas a mais sem limites, mas também a com os pais mais inseguros e despreparados. Quem dá o alerta é o mestre em Educação pela UFRJ, palestrante e escritor, Júlio Furtado.

Ele esteve em Guarapari no início de março para uma conferência com professores do Ifes e a Revista Sou aproveitou a oportunidade para conversar sobre os desafios da educação atual. Furtado é enfático: Precisamos encontrar o meio termo entre a tirania do passado e a necessidade de diálogo e interação do presente para educarmos de forma saudável. Caso não encontremos esse ponto de equilíbrio, continuaremos a formar novas gerações sem rumo. Veja a seguir.

Revista Sou: É possível falar que estamos criando hoje uma geração “sem limites” ou é um exagero? Por quê?

Professor Júlio Furtado: A geração sem limites já foi criada e hoje já está no mercado de trabalho, colhendo os frutos amargos de sua visão distorcida de mundo. Estamos falando da Geração Y, que hoje está entre os 18 e os 30 anos. Ela é filha do videogame e herdeira de todas as características e vícios desse aparato. A geração que estamos criando hoje é a Geração Z, cuja principal característica é a deficiente comunicação verbal e a super dependência da tecnologia e do mundo virtual. A falta de limites dessa geração se refere à supervalorização das relações virtuais.

Por que os pais estão com tanta dificuldade na hora de impor limites?

Por vários motivos. O primeiro é em função da carência afetiva já citada. O segundo tem a ver com a própria estrutura da família moderna. Pais separados, por não se entenderem, buscam muito mais agradar do que educar. Um terceiro motivo está ligado à ida da mulher para o mercado de trabalho. Ela sempre foi o porto seguro na colocação de limites em casa. Um quarto motivo tem a ver com o despreparo emocional de pais e mães para desempenhar a função. Cada vez mais, tem-se filhos de forma inesperada e cada vez menos de forma planejada e consciente.

Quais são os principais erros cometidos na formação de valores e disciplina?

Não conseguir desagradar os filhos por medo de não serem amados. Estamos falando da geração de pais mais carente que já existiu. Essa carência gerou o medo de dizer não em função da necessidade de se sentirem amados. No tocante aos valores, a dificuldade central é vivenciar os valores que ensinam. Ensina-se que temos que nos manter na pista, cortando pelo acostamento. Com relação à disciplina, caímos novamente na dificuldade para colocar limites. Não mantemos a palavra até o final e sentimo-nos culpados diante de castigos.

Em outra ocasião, o senhor falou que “estamos vivendo uma transição entre a disciplina do medo e o medo da disciplina”. Poderia explicar melhor essa sentença?

Saímos de um modelo em que não havia diálogo, em que criança não tinha opinião nem vez e em que a punição era a única forma de educar para um modelo inseguro em que temos medo de estabelecer disciplina e de colocar limites claros. Perdemos a confiança em nós mesmos e nos sentimos inseguros para educar. Precisamos encontrar o meio termo entre a tirania do passado e a necessidade de diálogo e interação do presente para educarmos de forma saudável. Caso não encontremos esse ponto de equilíbrio, continuaremos a formar novas gerações sem rumo.

Como incentivar a autoestima do filho sem cair na armadilha de mimá-los e superestimá-los?

Dosando e equilibrando pressão e apoio. É preciso apoiar a criança para que ela vença suas dificuldades, para que ela ultrapasse limites, mas é igualmente necessário que pressionemos para que ela cresça. Costumo dizer que a fórmula da boa educação está em empurrarmos com a mão direita e afagarmos com a mão esquerda. Tudo ao mesmo tempo. Quando apenas a mão direita funciona geramos pessoas inseguras e reprimidas. Quando apenas a esquerda cumpre o seu dever, geramos pessoas que não caminham e ficam esperando que alguém resolva suas vidas.

 

Deixe um Comentário